Professores inovam nas formas de aulas

Professores intrevistados pelo G1: Paulo jabilut,Carla Garcia,e Daniel Ferreto

Professores entrevistados pelo G1

Professores entrevistados pelo G1

 

Um número cada vez maior de professores brasileiros está trocando o giz e o apagador por uma câmera e um computador, mesmo que durante algumas horas da semana. Fenômeno crescente na educação, as videoaulas têm uma demanda de público cada vez maior, principalmente na época do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). E levado docentes a darem aula olhando para uma lente, em vez de uma sala repleta de estudantes.

A nova modalidade, segundo três professores ouvidos pelo G1, traz vantagens e desvantagens em relação à aula tradicional. O alcance, de acordo com eles, é indiscutivelmente o maior ganho de publicar a aula na internet. Mas a adaptação ao ato de ensinar sem ter o contato imediato com os alunos é o principal lado negativo da tecnologia aliada à educação

Segundo os professores, o principal público-alvo das videoaulas são os vestibulandos. Porém, eles já produzem aulas voltadas para estudantes desde os 14 anos, no nível fundamental. Dependendo da matéria, como matemática há ainda demanda de pessoas que estão se preparando para concursos públicos, ou até universitários que precisam de reforço para matérias como cálculo:

Prazer e profissão
Além de produzirem conteúdo para suas próprias aulas presenciais, muitos professores decidem investir em equipamentos de vídeo também para reencontrar o prazer na profissão. Paulo Jubilut, de 35 anos, é formado em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e resolveu tentar gravar aulas em vídeo em sua casa, em Florianópolis, e jogá-las na internet como último recurso antes de buscar outra carreira.

CONTEÚDO: De acordo com os professores ouvidor pelo G1, é a parte mais importante de uma videoaula. Paulo Jubilut diz que leva uma semana estudando um tema e preparando o roteiro. Daniel Ferretto conta que a vantagem é poder passar definir a melhor maneira de explicar o conteúdo de uma só vez, ao contrário das aulas presenciais, em que há distrações por parte dos alunos e tempo é sempre fixo, em geral de 50 minutos.

ESTRUTURA: ‘Não tem segredo’, diz a professora Carla Garcia, que usa a sala de aula de seu curso como estúdio na hora de gravar. As cadeiras são empilhadas e um fundo verde (o chroma key) é preso na lousa para que, na hora da pós-produção, a logomarca seja inserida. Não é preciso começar investindo muito nos equipamentos, dizem os docentes. Ferretto começou filmando no próprio quarto. Jubilut usava a webcam do laptop. Segundo eles, primeiro é melhor garantir que o conteúdo das aulas seja bom e interessante.

DURAÇÃO: Os professores divergem nesse ponto. Jubilut cita estudos que dizem que a duração ideal é de apenas nove minutos, mas defende que aulas interessantes podem chegar a ter até 35 minutos sem perder a taxa de retenção dos espectadores. Para Ferretto, há muitas aulas boas com mais de uma hora de duração. Já Carla afirma que aulas com mais de 15 minutos fazem com que o estudante perca a atenção, principalmente na época do vestibular, em que há muita coisa a estudar.

Retribuição
Embora minoria entre os canais de educação, os conteúdos de língua portuguesa costumam dar mais ênfase às provas de redação, principalmente voltadas ao Enem.

Professora da matéria desde 1998, Carla Garcia, de Niterói (RJ), estreou em agosto deste ano o canal Enem em Curso, com aulas gratuitas para a prova de redação.

Formada na graduação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), e com mestrado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Carla, de 52 anos, atualmente mantém um curso presencial de redação – que é improvisado como estúdio para a gravação das aulas – e faz uma pesquisa de doutorado sobre a redação do Enem na Uerj.

Professores intrevistados pelo G1: Paulo jabilut,Carla Garcia,e Daniel Ferreto

 

 

 

Veja a reportagem na íntegra na página do  G1: http://g1.globo.com/educacao/noticia/2015/10/no-dia-do-professor-youtubers-ensinam-como-gravar-videoaulas.html
 Fonte http://g1.globo.com/educacao/noticia/2015/10/no-dia-do-professor-youtubers-ensinam-como-gravar-videoaulas.html